Luisa Mell diz que conversa com todos os animais

Share on FacebookTweet about this on TwitterShare on Google+Print this page

Luisa Mell falou sobre veganismo nessa terça-feira, 14, durante entrevista ao programa ‘Pânico’, na Rádio Jovem Pan. Os humoristas da atração demonstraram bastante curiosidade sobre o estilo da apresentadora. Márvio Lúcio questionou a ativista sobre o que ele classificou como “dilema” e perguntou se ela estivesse numa floresta com um tigre prestes a atacar, o que faria.

A apresentadora respondeu que mataria, pois se trata do “instinto de sobrevivência”. “Desculpa, se você for para cima do meu filho, eu não tenho dúvida de que vou te matar. São instintos”, explicou.

Luisa continuou sua argumentação e fez uma crítica direta às pessoas que comem carne. “Mas eu não estou no meio da floresta. É um situação totalmente diferente das pessoas que estão em casa e acham bacana fatiar os animais, deixar que eles tenham uma vida miserável, só por causa da gula”, disse.

O comediante Evandro Santo fez mais uma pergunta: “mas você mata barata?”. “Não, não mato nem um bicho. Esse negócio de pernilongo… Eu sei que vou falar aqui e vão dizer que eu sou louca, vão rir de mim, mas eu não estou nem aí. Entra um mosquito no carro, o meu marido diz ‘olha, o pernilongo’. Eu digo: ‘deixa, eu vou conversar com ele e ele vai sair. Eu abro a janela e digo: ‘vai embora, por favor’; e o mosquito vai”, contou. Márvio chegou a chamá-la de “encantadora de insetos”.

A entrevistada ainda afirmou que, no início do namoro, Gilberto Zaborowsky achava que ela era “louca”, no entanto agora ele relata essas situações para os amigos e comprova: “Acontece! Eu vejo”.

Luisa fundou em fevereiro de 2015, o Instituto Luisa Mell, que atua principalmente no resgate de animais feridos ou em situação de risco, recuperação e adoção. O abrigo conta com cerca de 300 animais, entre cães e gatos, todos resgatados das ruas e no local são protegidos, alimentados e aguardam pela chance de serem adotados. Todo o trabalho no Instituto é voluntário.  Quem quiser ajudar, pode solicitar mais informações pelo site.

Fonte: ILM, Estadão, GCN

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *