Ambientalistas se mobilizam para salvar vaca em Brumadinho, mas animal é sacrificado

Após duas vacas serem flagradas atoladas em meio a lama que desceu após o rompimento da barragem em Brumadinho (MG), um grupo de ambientalistas se mobilizou para resgatar os animais. Mas o que parecia simples, se transformou em uma verdadeira saga.

A área afetada pela lama estava com o acessos suspenso após equipes da Vale soarem um alerta sobre a possibilidade de uma segunda barragem, com 1 milhão de m3 de água, apresentar risco de ruir com o aumento do volume durante a madrugada deste domingo. Enquanto a região era isolada e moradores removidos para partes altas pela Polícia Civil, três organizações de proteção animal chegaram em um dos principais locais soterrados pela lama para tentar o resgate dos animais.

Logo após iniciar as tentativas de resgate, equipes da Polícia Militar, apoiados pelas orientações da Defesa Civil, removeram os voluntários da área — segundo eles, temendo pela segurança de todos caso a segunda barragem viesse a ruir.

Tapumes – Na parte da tarde, em função da ação dos ambientalistas, equipes da Vale começaram a instalar tapumes no acesso a uma das áreas mais afetada pelo rejeitos. A ação irritou parte da população que estava ali — principalmente, os ambientalistas. Logo o muro de tapumes virou motivo de discórdia junto com a indignação da proibição de acessar a área para o resgate das vacas. A Polícia Militar novamente, tentou intervir e acalmar os ânimos, mas sem sucesso.A Vale informou que o tapume foi instalado por funcionários da companhia, sob orientação da Defesa Civil, que está selecionando os locais de isolamento.

Vendo os esforços dos ambientalistas, uma equipe do Corpo de Bombeiros desceu de helicóptero e ajudou no resgate. Tentaram laçá-la, empurrá-la. Ela reagiu e tentou sair a todo custo da lama que a prendia. No entanto, alguns de seus ossos já estavam quebrados. Por fim, o animal que tinha muitos ferimentos precisou ser sacrificado, para tristeza de todos ao redor.

Fonte: R7

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *