Era uma quadrilha organizada para causar intenso sofrimento a esses animais’, diz delegado

A rinha estourada em Mairiporã (SP), em que 19 cachorros da raça pit bull foram resgatados, agia internacionalmente, de acordo com a Polícia Civil do Paraná. O delegado concedeu uma entrevista coletiva em Curitiba para detalhar a operação. Na ocasião, atualizou o número de presos para 41.

“A gente encontrou uma cena muito chocante, porque no momento em que nós adentramos no recinto estava acontecendo o duelo. Dois cachorros estavam se pegando”, contou o delegado.

O delegado chegou a dizer que nos 13 anos que está na Polícia Civil nunca tinha visto uma situação como a encontrada na rinha. “Tinha cachorro morto, tinha cachorro machucado. Tinha cachorro que era morto e assado para eles comerem. Uma cena totalmente de terror”, destacou.

“Uma cena que marcou muito era que tinha um cachorro aqui de Curitiba que já tinha duelado, já tinha brigado. Na nossa frente, abaixou para urinar e era só sangue”, disse o delegado.

De acordo com ele, nenhum dos cachorros resgatados precisou ser submetido à eutanásia. “Quando a gente dava um pouco de água e um pouco de comida, eles ficaram desesperados, porque provavelmente fazia dias que não comiam nem bebiam nada”, afirmou.

“Eles estavam passando muita fome e muita sede, porque eles tinham que ficar estressados para a luta”, explicou o delegado.

Foto: Polícia Civil do Paraná/Divulgação

As apostas – As apostas eram feitas fisicamente, ali no local, e também pela internet – no mundo inteiro, conforme o delegado.

“Era uma rinha internacional. Ano passado foi na República Dominicana, esse ano aqui no Brasil. Ano que vem provavelmente seria em outro país”, disse. No local, segundo o delegado, a Polícia Civil de São Paulo apreendeu R$ 47 mil.

Animais selecionados geneticamente

De acordo com o delegado, tem cachorro avaliado em R$ 200 mil. Laiola explicou que os animais foram selecionados geneticamente e treinados para as brigas.

“A gente tem informação de cachorro correndo em esteira, fazendo natação. Dificilmente, um cachorro desse volta a ter um convívio com outros animais”, afirmou.

Entre os presos, conforme o delegado, estão um americano, um peruano e um mexicano. Um médico, um veterinário e um policial militar também foram detidos.

No momento em que os policiais invadiram a rinha, houve resistência por parte dos suspeitos, segundo o delegado. Alguns chegaram a fugir, mas seis voltaram e acabaram presos. Os suspeitos devem responder por associação criminosa, maus-tratos contra animais com agravante de morte e jogo de azar.

Laiola disse que a investigação começou depois de a Polícia Civil do Paraná receber uma denúncia anônima sobre um criador e um treinador de pit bulls de Curitiba e de São José dos Pinhais, que fica na Região Metropolitana da capital paranaense.

“Descobrimos o dia que seria o evento e monitoramos o veículo dos suspeitos”, afirmou o delegado.

Parte dos detidos ganhou liberdade após audiência de custódia e outros foram liberados  no dia 18 de dezembro, após o pagamento de fiança, conforme informações repassadas pelo delegado Matheus Laiola, da Polícia Civil do Paraná, responsável pela operação, que contou com apoio de policiais paulistas.

Fontes: Uol

              G1

Natal Nutricandies

Absorventes ecológicos

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *