Alimentação de cães e gatos com conceito vegetariano

Uma teckel (salsicha), chamada Lola, de 11 anos, sofria há meses com uma infecção que não melhorava com antibióticos. Sua tutora Vera Arraes, vegana há quase três anos, não sabia mais o que fazer até que decidiu retirar a ração e restringir a dieta de Lola a alimentos vegetarianos. Em pouco tempo, a cachorrinha passou a responder ao tratamento e hoje, um ano depois, vive uma vida normal. Histórias como essa são cada vez mais comuns. Seja pela saúde ou pela causa animal, a onda vegana, que cresce globalmente a passos largos, chegou com tudo na alimentação de pets. Mas assim como na dieta de humanos, é preciso cuidado com a transição alimentar de cães e gatos. De olho nesse nicho, já existe até farmácia de manipulação veterinária para suplementar vitaminas necessárias.

Vera, a tutora de Lola, conta que se não tomasse uma medida urgente provavelmente sua cachorrinha não resistiria por muito tempo:

— Eu pensei: “Eu sofria de várias doenças e me curei com a dieta vegana. Por que não?” Foi quando comecei a pesquisar e vi que era possível. Vi, inclusive, uma reportagem sobre o cão mais velho do mundo que era vegano. Não tive dúvidas. Procurei um veterinário e mudamos a dieta dela. Foi a melhor coisa que poderia ter feito. Hoje ela voltou a ser o que era antes da infecção, uma cachorra alegre e disposta.

De acordo com Luciana Ferreira, médica veterinária especialista em nutrição animal, ainda não há estudos científicos esclarecendo o impacto de uma dieta vegana a longo prazo na vida de cães e gatos. Sendo assim, é imprescindível que os animais façam exames periódicos e que sejam rotineiramente avaliados por seu veterinário. Mas, segundo ela, é possível, sim, elaborar uma ração ou alimentação natural vegana e conseguir todos os nutrientes oriundos das proteínas e de derivados de animais.

— O desafio está em encontrar fontes proteicas de origem vegetal que sejam toleráveis e não inflamatórias, e que também atendam às exigências de aminoácidos, principalmente nos gatos, que não digerem o amido tão bem quanto os cães — explica a especialista.

Outro desafio em relação aos gatos, apontado pelo médico veterinário e zootecnista João Victor de Macedo, são a taurina e o ácido araquidônico. Mas a ressalva para ambos é a vitamina B12, que pode ser complementada.

— Concordo com as dietas veganas para cães e gatos. No caso destes, por ser mais complicado de se balancear e principalmente conseguir tornar esses alimentos atrativos, uma alternativa são as dietas comerciais voltadas para eles. Já para cães, exemplos de substitutos para proteína animal podem ser quinoa, lentilha, aveia, arroz e feijão. Em outros países já é amadurecido o mercado de alimentos e suplementos veganos para esses animais. Só é importante ressaltar que as quantidades variam de acordo com idade, peso, grau de atividade e condições de saúde do animal — lista.

Para ajudar a ter uma dieta balanceada sem qualquer deficiência é que entram as farmácias de manipulação veterinária. Além de suplementar vitamina B12, elas oferecem uma linha exclusivamente vegana com medicamentos naturais.

— Trouxemos diretamente da natureza cuidados especiais para pets. O Seaberry Ômega-7 é a primeira fonte vegana de ômegas do Brasil — diz Danielle Barcelos, uma das sócias da Tudodvet, em São Gonçalo.

Tradicionais espaços de Niterói, como a Pet Home, já oferecem produtos veganos, a exemplo o Dellipet e o Petpapá (ambos petiscos). Além do VegDent, que é um produto para o animal comer e ajudar na limpeza oral. Também é possível comprar rações vegetarianas e demais produtos pela internet. Uma das empresas mais famosas é Vegpet.

Fonte: O Globo

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *