Alpacas choram enquanto são tosquiadas e torturadas em fazenda

Uma investigação realizada pela organização em defesa dos direitos animais People for the Ethical Treatment of Animals (PETA) revelou práticas de crueldade extrema em Mallkini Ranch, maior fazenda de alpacas do Peru. Imagens mostram os animais sendo chutados, agredidos e friamente torturados no momento do tosquiamento de sua lã. As imagens são fortes e isso não pode mais acontecer.

Sentindo dor, sofrimento e estresse, as alpacas choram, gritam e vomitam. Para a tosa, elas são amarradas pelas patas dianteiras e traseiras enquanto todo o seu pelo é removido de forma grosseira e violenta. As alpacas são puxadas pela cauda e orelhas e tratadas de forma desumana pelos funcionários do local.

A PETA afirma que o comportamento e reações fisiológicas das alpacas demonstram que elas estão com medo profundo. Há também indícios que muito animais estão doentes. Durante o tosquiamento, algumas alpacas recebem cortes tão profundos que precisam levar pontos. A sutura é feita sem anestesia ou condições sanitárias básicas.

Imagem: PETA

As alpacas grávidas não recebem melhor tratamento e nem cuidados especiais. A crueldade promovida pela Mallkini Ranch fez com que empresas como a Espirit, a H&M e a Gap rompessem contratos. Um porta-voz da Michell Group, empresa que administra a fazenda, confirma que, infelizmente, tudo que está nas imagens são práticas comuns na Mallkini Ranch.

A fazenda aprisiona e explora mais de 4 mil alpacas e ainda mantém um programa turístico que recebe visitantes. Além disso, a Mallkini Ranch é a única fazenda de alpacas do mundo que possui certificação orgânica concedida pelo USDA Organic e pelo Organic Organic Regulation.

Após a divulgação das imagens, a empresa afirmou que procurará a PETA para criar regulamentos de bem-estar animal. A organização defende uma postura antiespecista e luta contra toda forma de tirania e abuso contra animais.

Assista o vídeo:( As imagens são fortes e tristes)

Leia mais no site da PETA, aqui.

Fonte: ANDA

Imagem capa: Pixabay

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *