Barbárie: jumentos são abatidos visando exportação

Share on FacebookTweet about this on TwitterShare on Google+Print this page

Um frigorífico localizado no município de Amargosa, a cerca de 240 quilômetros de Salvador, iniciou no último dia 26 de julho, o abate de jumentos com o objetivo de exportação, segundo o governo. A empresa diz que gera 150 empregos diretos e 270 indiretos com o negócio e que vai produzir cerca de 300 toneladas de carne por mês para exportação ao mercado asiático.

A unidade funciona na área de um antigo frigorífico de bovinos, que havia encerrado as atividades há dois anos. O objetivo é exportar a carne e também o couro animal, que será direcionado à indústrias de cosméticos e farmacêuticas.

O projeto engloba desde a aquisição de jumentos de pequenos produtores rurais até a procriação pela empresa, inclusive com melhoramento genético da espécie na Bahia, a partir de animais trazidos da Ásia.
Um dos sócios do frigorífico, o empresário Mairton Souza diz que a meta da empresa é alcançar, sobretudo, o mercado chinês.

“Já negociamos com Hong Kong. O objetivo maior é a China, porque, no mundo, é atualmente o maior mercado. Estamos inclusive brigando com a Austrália, que também iniciou o abate de jumentos”.

Segundo dados do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), o Nordeste possui quase 90% dos jumentos do país. O primeiro matadouro a iniciar a atividade, sacrificando 300 jumentos, foi um localizado em Miguel Calmon, cidade no centro-norte da Bahia. Em três meses de regulamentação, cerca de dois mil jumentos foram abatidos no estado.

Antes de ir para o matadouro, os animais eram encaminhados a uma propriedade para realização de exames clínico e laboratorial. Só eram abatidos os jumentos que pesassem, no mínimo, 100 quilos, em procedimento praticamente igual ao realizado com bovinos.

A senadora Katia Abreu já havia publicado em sua conta no facebook fotos de uma jantar em Pequim, mostrando um jantar com vários tipos de preparação com o animal e elogiando uma sopa com “puro colágeno” e falando desse tipo de exportação no Brasil.  Muitas pessoas comentaram reclamando da atitude e pedindo proteção também a esses animais.

Fonte: G1

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *