Eduardo Corassa: do fast food ao crudivorismo

O nutricionista crudívoro Eduardo Corassa atingiu sua meta de vida ainda aos 18 anos, ao participar da criação do Made in Brazil, lendário time de Counter Strike do Brasil. A coleção de carimbos no passaporte mostrava que o time e o seu projeto iam bem. Porém, imaturo, sem muita instrução e com muita vontade de crescer correndo nas veias, Corassa sobrevivia a base de fast food e festas regadas a bebida e cigarro.

Também não fazia exercícios físicos e passava horas sentado em frente à tela. Com 22 anos,  estava 25 quilos acima do peso, com muitas dores na coluna e o desempenho no esporte em declínio. Em 2006, a MiRB deixou seu nome marcado na história do esporte eletrônico brasileiro ao faturar o primeiro título mundial do país no Counter-Strike, durante a ESWC, em Paris. Por irresponsabilidade com a saúde, ele não anotou seu nome na história: foi nesta época, aos 22 anos, que Eduardo Corassa perdeu a carreira e abandonou o time que ele mesmo criara.

– Cresci jogando videogame. Eu era o melhor. Se você vive de forma correta, você forma novos neurônios e protege os antigos. Todos os caras que eram bons praticavam esportes, jogavam muito futebol, por exemplo. Eu não sabia de tudo isso até perder minha carreira. Quando eu resolvi mudar de vida, já tinha perdido meu lugar no time – revelou Corassa.

Até dar de cara com a limitação, Corassa não queria saber de se cuidar. Em uma viagem para a Suécia em campeonato,  engordou 10Kg em apenas um mês. O curioso é que, na época, o técnico da equipe era um sueco que batia na mesma tecla: cuidar do corpo e da saúde é zelar pela qualidade no jogo.

– Eu criei o MiBR, mas os meninos eram muito garotos na época. Eu coordenei tudo, arrumei patrocinador, tomei à frente nas coisas do time. Eu queria viajar em nível internacional. Quando eu fiquei jogando muito mal, comecei a procurar o motivo. Eu tinha um técnico sueco que tinha essa perspectiva de cuidar do corpo para jogar melhor. Aí, então, eu comecei a melhorar meus hábitos, tinha uma nutricionista, uma personal trainer. Mas não dava mais tempo. Se eu tivesse mudado de vida antes, eu teria prolongado a minha vida útil no E-Sports.

Em 2012, por problemas financeiros, a equipe encerrou suas atividades. Neste sábado, a Made in Brazil vai anunciar oficialmente o seu retorno ao esporte eletrônico em um evento em São Paulo com transmissão ao vivo no SporTV 3, a partir das 17h (de Brasília). Eduardo Corassa vai participar como convidado, para relembrar os velhos tempos.

A opção pelo crudivorismo – Atualmente, não faz parte da realidade tentar retornar aos E-games. Em suas tentativas de fazer as pazes com a saúde aos 22 anos,  abandonou todo tipo de alimento de origem animal e se tornou adepto do crudivorismo, a prática de se viver de alimentos crus. Hoje, aos 34 anos, formado em nutrição, sua meta de vida passou a ser divulgar o assunto ao invés de voltar a jogar.

– Depois que adquiri novos hábitos, perdi 35 quilos em poucos meses. Minha capacidade neurológica foi extremamente aumentada, nunca mais fiquei doente, nunca mais tive uma dor de garganta e consegui melhorar meu desempenho na faculdade. E comecei a jogar muito melhor CS. Hoje, eu vivo 100% do meu projeto e tenho sete livros publicados sobre nutrição.

Há dois anos, Corassa se mudou para um sítio em Saquarema onde planta tudo aquilo que consome. Neste mesmo lugar, abriu uma pousada onde promove retiros para que as pessoas possam aprender um pouco mais sobre o crudivorismo e hábitos saudáveis.

– Lá, eu ensino a ciência da saúde. Ensino às pessoas a se alimentarem melhor, a prepararem os alimentos crus. Também promovo palestras com diversos profissionais da área da saúde. As pessoas conseguem ter mais informação, que era algo que eu não tinha quando jovem.

Viver longe da cidade grande também permitiu uma parceria com os esportes ao ar livre. As boas ondas da Região dos Lagos, no Rio de Janeiro, convidam diariamente o nutricionista a se lançar ao mar. Problemas como sobrepeso, diabetes, alergias, hipertensão, fadiga crônica e lombalgia desapareceram em pouco tempo. Segundo ele, graças ao novo estilo de vida.

Hoje, posso fazer um treino de tênis por duas horas debaixo do sol carioca sem problemas. Se eu quiser, consigo comer umas frutas e jogar mais um futebol na sequência. Mudar o estilo de vida me fez ser outra pessoa. Eu não me arrependo do que aconteceu, porque, naquela época, eu não tinha informação. Quando eu tive, eu corri atrás da mudança, mas já era tarde demais. O CS me fez esse estilo de vida. Mas foi o CS que me permitiu mudar de vida. Então, eu sou grato por tudo.

Assista ao canal do vegano Eduardo Corassa aqui.

Fonte: Globo Esporte

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *