A Amazônia pede socorro

A Amazônia concentra 52,5% dos focos de queimadas de 2019, segundo os dados do Programa Queimadas, do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Inpe). O Cerrado é responsável por 30,1%, seguido pela Mata Atlântica, com 10,9%.

No dia 19, a cidade de São Paulo, parte do Mato Grosso do Sul e do norte do Paraná foram afetados pela fumaça que desceu das queimadas no Brasil, e também do Paraguai. A Bolívia, a Argentina e o Peru também têm focos de incêndio. No caso da capital paulista, uma nuvem mais baixa e carregada acabou aumentando a escuridão.

O jornal “Abc Color”, do Paraguai, noticiou um incêndio que começou durante o final de semana na reserva de mata nativa Três Gigantes, no Pantanal do país. Segundo a Secretária de Emergência Nacional, 70% do fogo, que se arrastou por 21 mil hectares, havia sido controlado até a manhã de segunda-feira, mas a fumaça ainda era sentida em território brasileiro.

No último dia 10 de agosto, grupos do sul do Pará organizaram o “Dia do Fogo”. Durante o final de semana, fazendeiros passaram a anunciar as queimadas, revelação do jornal local “Folha do Progresso”, da cidade de Novo Progresso.

As medições do Inpe confirmaram o pico de queimadas. Novo Progresso, junto com o município de Altamira, liderou o número de focos durante aquele final de semana. As duas cidades também estão entre as mais atingidas neste mês.

Mato Grosso – O pesquisador do Programa Queimadas do Inpe, Alberto Setzer, diz que as queimadas na região do Mato Grosso são comuns, mas “neste ano queimam mais do que em anos anteriores”. O calor e o clima seco contribuem para espalhar o fogo, que é causado, segundo ele, por ação humana não-intencional ou criminosa.

O Corpo de Bombeiros do estado está sobrecarregado. São 1,4 mil militares no Mato Grosso, sendo que 22 dos 141 municípios têm base dos bombeiros.

“É humanamente impossível atender todas as ocorrências que chegam, se tivermos de 30 a 40 queimadas urbanas em um dia, por exemplo. Vamos atendendo até quando o efetivo der”, afirmou o major Antônio Marco Guimarães.

Amazônia e Cerrado

O Instituto de Pesquisa Ambiental da Amazônia (Ipam), que não é um órgão do governo, publicou uma nota técnica a respeito das queimadas na Amazônia. O Ipam afirma que o “fogo é um elemento comum na paisagem rural brasileira” e que “na Amazônia não é diferente”. O órgão também diz que as chamas costumam estar “diretamente relacionadas à ação humana”.

De acordo com Setzer, tanto na Amazônia quanto no Cerrado o fogo é utilizado para a expansão da fronteira agrícola e também para a manutenção de áreas que já foram desmatadas.

“No Cerrado, você tem um ponto que é muito importante ser mencionado e que muitas vezes causa confusão. O Cerrado é uma vegetação naturalmente adaptada ao fogo. Ela, na verdade, precisa do fogo para a sua manutenção. Se você não tiver fogo, as sementes não vão germinar, as espécies vão desaparecer”.

Segundo ele, o “fogo natural” do Cerrado ocorre com a ocorrência de raios, com uma frequência muito menor do que as queimadas causadas pelo homem.

Fonte: G1

Imagem capa:  Fernando Frazão/Agência Brasil

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *