Marca de café lança cápsulas que viram adubo

Share on FacebookTweet about this on TwitterShare on Google+Print this page

A marca brasileira de café Orfeu, certificado pela Associação Brasileira de Cafés Especiais (BSCA),  lançou a sua cápsula biodegradável e compostável. Com isso, todas as cápsulas de café da marca fabricadas a partir de outubro passam a ser produzidas neste novo material.

“Após muita pesquisa e dedicação, estamos muito felizes em dizer que as cápsulas de café Orfeu, compatíveis com as máquinas Nespresso®, são biodegradáveis e compostáveis. Conseguimos dar um grande passo para tornar sustentável o consumo e descarte de cápsulas de café de uma forma mais prática, viável e efetiva para os clientes”, conta Amanda Capucho, diretora geral de Orfeu Cafés Especiais.

Essa cápsula, quando destinada ao tratamento de lixo orgânico, tem um ciclo de até quatro meses para se degradar completamente e se transformar em adubo, um nutriente para a natureza. Isso é possível porque as cápsulas são feitas de um exclusivo bioplástico compostável.

O produto possui todas as certificações necessárias pela norma EN-13432, representadas pelos selos “OK Compost” e “OK Biobased”. Ela é feita a partir de fontes renováveis e sua composição é livre de alumínio, livre de Bisfenol A (BPA Free) e de transgênicos (GMO Free).

Além disso, são as primeiras no Brasil a receber o Rótulo Ecológico ABNT – o único programa de rotulagem ambiental brasileiro aprovado pelo Global Ecolabelling Network (GEN), que garante que o produto certificado é a melhor opção para o meio ambiente, em comparação a produtos similares da mesma categoria.

Na categoria de cápsulas de café, o selo exige que o material da cápsula seja biodegradável ou compostável, além de diversos critérios que envolvem responsabilidade socioambiental no processo produtivo, desde a plantação, até a embalagem.

“Esta iniciativa é um dos diversos passos que damos diariamente para firmar um compromisso que nasceu conosco: cuidar bem do café, das pessoas e de nossa terra. Sabemos que esse zelo resulta diretamente na qualidade de cada xícara de Orfeu”, comenta Amanda.

Para todo esse lixo orgânico voltar à natureza de forma limpa e sustentável, ele deve ser descartado de forma adequada para iniciar o processo de biodegradação e compostagem.

Coleta seletiva: em algumas cidades no Brasil, já é possível destinar o lixo orgânico de forma adequada para tratamento. Se o consumidor já faz uso da coleta seletiva e ele destina o lixo orgânico para estações de compostagem, basta garantir que suas cápsulas estejam sendo descartadas no lixo orgânico. Nesse processo, a biodegradação da cápsula acontece em até quatro meses.

Composteira termofílica: é um recipiente de materiais orgânicos que, com a reação natural das bactérias e dos fungos ao calor e ao oxigênio, transforma o lixo orgânico em adubo. Atualmente, existem empresas que recebem este tipo de lixo, mas também é possível que os consumidores façam em seus próprios lares. Nesse processo, a biodegradação da cápsula acontece de 2 a 4 meses.

Composteira elétrica (processadora de resíduos orgânicos): processa rapidamente os resíduos orgânicos por meio do calor e da movimentação mecânica. Há composteiras domésticas e composteiras industriais, que são comumente utilizadas em restaurantes, empresas e shoppings. Se a cápsula for misturada aos restos de alimento, cascas de frutas e demais materiais orgânicos, gera-se um adubo ainda mais rico em nutrientes. Nesse processo, a biodegradação da cápsula é acelerada e acontece em até 7 horas.

Fonte: Ciclo Vivo

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *