Supermercados de produtos orgânicos e veganos crescem em Paris

Share on FacebookTweet about this on TwitterShare on Google+Print this page

Paris tem novos supermercados de produtos veganos e de alimentos da agricultura orgânica. A rede Naturalia, que hoje pertence ao grupo Casino, abriu no final de junho lojas exclusivamente veganas, com um catálogo de 2 mil produtos 100% vegetais, em três bairros da capital e em Vincennes.

As lojas Naturalia e Biocoop, criadas nas décadas de 70 e 80, foram durante muito tempo as principais opções para os franceses que queriam consumir produtos cultivados sem agrotóxicos. Com a expansão do movimento vegano, que não consome nada de origem animal, inclusive o mel, o mercado cresce a cada ano.

A rede Bio c’Bon, com preços mais competitivos, abriu lojas recentemente em Montmartre e Pantin, bairros mais populares. A marca Un Monde Vegan tem a maior loja de Paris no bairro do Marais. A Biocoop continua se desenvolvendo, com mais de 430 lojas em todo o país.

Nos hipermercados, as gôndolas de frutas e legumes produzidos sem agrotóxicos são identificadas pelo selo “Bio”, que custam um pouco mais caro, mas a concorrência entre os grandes distribuidores Carrefour, Casino, Auchan, Leclerc e Intermarché é grande e todos possuem agora marcas próprias, mais acessíveis que as vendidas em lojas especializadas. As padarias também já produzem pão sem glúten.

Aos poucos, as cantinas escolares adotam os produtos orgânicos. Algumas oferecem diariamente, outras com frequência varíavel. Mas a tendência vai na direção da alimentação orgânica, principalmente para crianças.

Um estudo recente da Agência Nacional de Segurança da Alimentação mostrou que o francês come mal. Ainda utilizam muito sal na comida, consomem poucos legumes e frutas e muitos alimentos industrializados. A questão vai além da informação, porque há vários anos o governo faz uma campanha na mídia lembrando que se deve comer “cinco frutas e legumes por dia”.

A França é o maior produtor agrícola da Europa e poderia se tornar, no futuro, o número 1 em agricultura orgânica. Na terceira posição desse ranking, os agricultores franceses perdem para a Espanha, líder, e para a Itália, segunda colocada.

Mesmo recebendo subsídios públicos elevados, os agricultores franceses têm custos mais altos do que na Espanha, onde a mão-de-obra é mais barata. A conversão da agricultura tradicional para a cultura orgânica é uma das hipóteses em negociação pelos atores do setor, além de ser uma tendência ligada à saúde.

Fonte: FRI

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *