Alternativas às farinhas tradicionais

Share on FacebookTweet about this on TwitterShare on Google+Print this page

Para quem é intolerante ao glúten ou optou por excluir alguns cereais da sua alimentação há várias possibilidades para confeccionar pães, bolos ou outro tipo de receitas onde habitualmente se usam farinhas de cereais. Há opções mais low carb, ou seja, com menor quantidade de hidratos de carbono.

Farinhas de oleaginosas ou frutos secos

Amêndoa
(100g.)= 20g Hidratos de Carbono; 21g Proteína; 51g Lípidos.
Pode ser usada para doces ou salgados. Tanto para pães como para bolos.
A amêndoa é rica em vitamina E, cálcio, potássio e magnésio. Pode comprar-se a farinha de amêndoa ou triturar-se em casa num processador, com ou sem pele.

Avelã
(100g.)= 17g Hidratos de Carbono; 15g Proteína; 61g Lípidos.
É boa para usar em pães ou bolos.  A avelã é rica em vitamina E, cálcio, potássio e magnésio.

Nozes
(100g.)= 14g Hidratos de Carbono; 15g Proteína; 65g Lípidos.
Pode ser usada para pães ou bolos, mas em doces fica melhor.
As nozes são ricas em cálcio, potássio e magnésio.

Castanha do Pará
(100g.)= 12g Hidratos de Carbono; 14g Proteína; 66g Lípidos.
Tem um sabor muito bom e é muito indicada para receitas doces e pães.
A castanha do Pará é rica em vitamina E, cálcio, potássio e magnésio.

Castanha de caju
(100g.)= 30g Hidratos de Carbono; 18g Proteína; 44g Lípidos.
Tem um sabor muito bom e neutro o que dá para usar em receitas doces e salgadas.
A castanha de caju é rica em vitamina E, cálcio, potássio e magnésio. Atenção para aqueles que se preocupam com a quantidade de hidratos de carbono, pois tem um pouco mais do que as restantes oleaginosas.

Farinhas de frutas

Coco
(100g.)= 10g Hidratos de Carbono; 4g Proteína; 32g Lípidos.
O coco é também uma excelente opção, sendo muito bom para utilizar em receitas de bolos e panquecas.
É rico em potássio e fósforo. Encontra-se facilmente à venda a farinha de coco, mas pode ser mais barato comprar o coco ralado e não faz muita diferença nas receitas.

Farinhas de sementes

Linhaça
(100g.)= 30g Hidratos de Carbono; 18g Proteína; 40g Lípidos.
Pode ser utilizada em receitas de pães ou panquecas.
Rica em cálcio, magnésio, fósforo e potássio, encontra-se facilmente à venda, tanto em semente como em farinha.

Sementes de abóbora
(100g.)= 2,2g Hidratos de Carbono; 36g Proteína; 45g Lípidos.
Pode ser usada em receitas salgadas, principalmentem em pães. Rica em cálcio, ferro e magnésio.

Sementes de sésamo ou gergelim
(100g.)= 2,8g Hidratos de Carbono; 26g Proteína; 50g Lípidos.
Geralmente usada em receitas salgadas. Rica em vitamina A e B6 e em ferro, cálcio, ferro e magnésio.

Sementes de girassol
(100g.)= 2,7g Hidratos de Carbono; 21g Proteína; 58g Lípidos.
Usada especialmente em receitas salgadas e pães.
Fonte de vitamina A, C e B6 e rica em minerais como o cálcio, ferro, potássio e magnésio.

Trigo sarraceno
(100g.)= 61,5g Hidratos de Carbono; 13g Proteína; 3,4g Lípidos.
Apesar do nome, não se trata de um cereal, mas sim de uma semente. É rica em potássio, cálcio, ferro e magnésio e apresenta uma quantidade de hidratos de carbono maior do a maioria das outras sementes. Não é low carb, mas pode ser misturado com outras farinhas e usado em receitas principalmente de pães.

Farinhas de leguminosas

Amendoim
(100g.)= 16g Hidratos de Carbono; 26g Proteína; 49g Lípidos.

É um alimento low carb, de baixa quantidade de hidratos de carbono. É fonte de cálcio, potássio, ferro, magnésio e vitamina B6. Encontra-se facilmente à venda, mas para não ter outros ingredientes (sal, óleo) o melhor é comprar com casca e depois de descascado e sem pele, triturar para fazer farinha.

Alfarroba
(100g.)= 49g Hidratos de Carbono; 4,6g Proteína; 0,65g Lípidos.
É rica em cálcio, magnésio, potássio, ferro e vitamina B6. Não pode considerar-se totalmente low carb.  Pode ser utilizada em receitas doces e salgadas, como bolos, pães, etc

Farinhas de raízes

Mandioca: polvilho doce e azedo
(100g.)= 85g Hidratos de Carbono; 0,8g Proteína; 0,46g Lípidos.
A farinha de mandioca resulta da trituração da mandioca. Para obter o polvilho é necessário um processo mais complexo. A mandioca é amassada até se tornar uma goma à base de amido (fécula) e depois é desidratada até se tornar num pó branco finíssimo. Pode ser doce ou azedo mediante a sua acidez. Nos dois casos é feita a decantação da mandioca, mas o doce é moído e seco ao sol e o azedo sofre uma fermentação antes da secagem e moagem.
É extremamente rico em hidratos de carbono (quase só), daí não ser adequado para quem pretende fazer uma alimentação mais low carb.

Fonte: Lovinglifebysaraferro

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *