Limpeza de praias atingidas por óleo no Nordeste conta com ajuda de voluntários

Nos últimos dias,  imagens de voluntários limpando o óleo das praias no Nordeste tem sido compartilhadas nas redes sociais. Com equipes insuficientes para retirar o resíduo, prefeituras vêm recorrendo a mutirões de pescadores, surfistas e moradores. Foi o que fez o município de Cabo de Santo Agostinho (PE), atingido pelo óleo neste fim de semana.

“Infelizmente as manchas chegaram na praia de Suape. Nossas equipes já estão prontas para recolher o material, mas precisamos também de voluntários. Contamos com vocês”, escreveu a prefeitura em suas redes sociais.

O secretário de Meio Ambiente de Pernambuco, José Bertiotti, afirmou que, na falta de boias de contenção, redes de pescas estão sendo usadas para barrar a chegada do resíduo.

Na Bahia, um mutirão organizado por surfistas reuniu cerca de 500 pessoas em 17 praias de Salvador e cidades do litoral norte. Em dois dias, os voluntários retiraram o equivalente a 3.000 litros de óleo de dentro dos manguezais do rio Pojuca. O material recolhido foi encaminhado para a defesa civil municipal.

Uma das preocupações das autoridades é a falta de equipamentos para os voluntários. Para a retirada é necessário usar luvas, calça, galocha e máscara. Pás e peneiras são recomendadas para ajudar na retirada e separação das manchas das superfícies.

Voluntários escrevem na areia para pedindo luvas e trator para retirar manchas de óleo da praia de Itapuama, no Cabo de Santo Agostinho, no Grande Recife — Foto: Reprodução/TV Globo

O desastre ambiental também tem chamado a atenção de celebridades como Ivete Sangalo e Letícia Sabatella, que destacaram o problema e o trabalho feito pelos voluntários.

O número de tartarugas encontradas mortas no litoral do Ceará já chega a 23, desde o início do aparecimento de manchas de óleo no mar do Nordeste. Balanço divulgado pelo Instituto Verdeluz contabilizava 21 animais, porém hoje, esse número tende a ser maior. Apesar de não haver confirmação da causa das mortes, a principal suspeita é a de contaminação pelas manchas de óleo que incidiram no litoral nordestino.

A orientação para quem encontrar alguma tartaruga morta, segundo o Verdeluz, é medir o comprimento e a largura do casco, pegar as coordenadas do local e tirar fotos da ocorrência, repassando todo o material à ONG. Em caso de encalhe de animal vivo, é preciso, primeiramente, contactar o Instituto Verdeluz, pois o manejo de tartarugas marinhas só deve ser realizado por meio de uma licença do Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis (Ibama).

“Enquanto espera a chegada da equipe, em caso de encalhe vivo, isolar a área, oferecer sombra, manter o animal na areia com tecidos úmidos sobre o casco”, disse o Verdeluz em nota. Outra orientação é nunca manter o animal virado com o ventre para cima.

Praias do município do Cabo de Santo Agostinho, no Grande Recife, voltaram a apresentar óleo hoje. Na praia de Itapuama, que já havia registrado a substância no domingo, um grupo escreveu na areia “SOS” ao lado de uma mancha.

Por volta das 6h30, o grupo que escreveu o pedido de socorro estendeu a mensagem, pedindo por luvas e tratores para auxiliar na retirada do óleo da areia da praia.

Fonte: Folha

             G1

             Imagem capa: Foto: Oton Veiga/TV Globo

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *